terça-feira, 20 de agosto de 2013

ARMAZÉM RECEBE PRÊMIO DO FESTIVAL DE EDIMBURGO



No último dia 16 de agosto, a peça "A Marca da Água" [Water Stain] do Armazém Companhia de Teatro recebeu o mais importante prêmio do Fringe do Festival Internacional de Teatro de Edimburgo (Escócia), o maior festival de artes cênicas do mundo. O The Scotsman Fringe First Award existe há exatos 40 anos. O prêmio foi concedido pelo maior jornal da Escócia, The Scotsman, pela "innovation and outstanding new writing at the Edinburgh festival fringe" de 2013. Estou feliz por esse prêmio para a minha dramaturgia e do meu amigo, mestre Paulo de Moraes. O texto de "A Marca da Água" foi considerado uma escrita ousada e inovadora. Muito feliz ainda pelo fato do Armazém Companhia de Teatro, nascido em Londrina, ter conquistado um prêmio importante para o teatro brasileiro.


* * *


Premiada na Escócia, peça brasileira foi encenada em português com legendas

UOL, em São Paulo - 20/08/2013


A peça "A Marca d'Água", da Armazém Cia. de Teatro, é o único espetáculo encenado em português entre os vencedores anunciados até o momento do prêmio Fringe First, dado anualmente pelo jornal "The Scotsman" a roteiros premiados durante o festival Edinburgh Fringe.
A encenação foi apresentada com legendas em inglês durante a programação do festival, algo que os organizadores tinham resistência em fazer, segundo relatou ao UOL o diretor do espetáculo, Paulo Moraes. "Vendo por esse ângulo, o prêmio é ainda mais importante pois quebra uma tendência de muitos e muitos anos", disse ele em uma entrevista por e-mail.
O Edinburgh Fringe é um evento alternativo ao Festival Internacional de Edimburgo, dedicado às artes performáticas. "A Marca d'Água" foi anunciada na última sexta-feira (16) dentro da segunda relação de vencedores, com outras cinco peças. Oito outros espetáculos já haviam sido anunciados vencedores na sexta-feira anterior e uma nova seleção será feita no próximo dia 23 de agosto.
"Receber o Fringe First foi especial, pois é o prêmio mais importante dado aqui em Edimburgo. Num universo de quase 2 mil peças, foram escolhidas 14 peças de diferentes estilos. E nenhuma delas numa língua que não fosse o inglês."
Moraes conta também que interpreta o prêmio como o reconhecimento de uma linguagem construída durante anos. "Edimburgo é o festival de teatro mais importante do mundo, o de maior visibilidade, o mais procurado pelos curadores internacionais. Receber um prêmio aqui é importante demais pra gente, pois é perceber que a linguagem que usamos atravessa a barreira da língua e se comunica intensamente com um público e uma crítica tão diversa, é bacana demais."
O diretor conta que a reação dos espectadores na capital escocesa tem sido maravilhosa, ainda que o espetáculo não tenha tido muito público até que a crítica começasse a notá-lo. "O público aqui se guia muito pela crítica de teatro. No início do festival, quando ainda ninguém sabia quem a gente era, tivemos muito pouco público. Quando começaram a sair as críticas, todas muito positivas, o público começou a voltar os olhos para o nosso trabalho." A crítica do jornal "The Scotsman", ele afirma, teve um grande papel nesse processo.
 
"A Marca d'Água" estreou no Rio de Janeiro em agosto de 2012 e teve também uma temporada em São Paulo, de fevereiro e março de 2013, e Montevidéu, no Uruguai, em maio. No Brasil, recebeu o Prêmio Shell de Melhor Autor (para Paulo de Moraes e Maurício Arruda Mendonça), além de indicações para Melhor Atriz (Patrícia Selonk) e Melhor Cenário (Paulo de Moraes).

Fonte: http://entretenimento.uol.com.br/noticias/redacao/2013/08/20/premiada-na-escocia-peca-brasileira-foi-encenada-em-portugues-com-legendas.htm


1 Comentários:

Às 25 de setembro de 2013 23:34 , Blogger ADRIANO GARIB disse...

Vocês são incríveis. Mais que merecido. Feliz por vocês. Orgulhoso de vocês. Beijos!

 

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

<< Página inicial