sexta-feira, 4 de maio de 2012

MELHOR ASSIM



Algo não vai bem, neném?
Se toque
Não manque
Saia dessa com classe
Dê a volta por cima
mas não sacuda a poeira
que sou alérgico,
please.
Um vento vagal
passou por meu peito
daquele jeito destrambelhado
que arrasa matagal.
Menos mal
Melhor assim
que me vou por aí
chinelo estalante
a cada passada
maior do que as pernas
sorria enquanto caminha
rapaz
na cidade nova
as casas velhas
os lares simples
te afeiçoam
te abençoam
deixa a alegria te levar.


2 Comentários:

Às 12 de maio de 2012 18:06 , Blogger Danilo Dias disse...

Feita sob encomenda, diria se quisesse transformar a fantasia em realidade, para uma pessoa que está mudando de casa. Reforçaria a tese, caso quisesse, acrescentando que essa pessoa encontra ou deseja encontrar as característica ditas no poema no novo lugar. Conheço alguém assim.

Abraços.

 
Às 13 de maio de 2012 07:48 , Blogger Maurício Arruda Mendonça disse...

Danilo, na realidade esse poema é fruto de uma visita ao bairro Cidade Nova no Rio, visão de casas humildes repletas de alegria genuína. Abraço.

 

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

<< Página inicial